sábado, 8 de janeiro de 2011

"Bullying"

Na escola, era o "patinho feio"
Apesar de ser menino inteligente
Escondia-se na hora do recreio
não falava com outros adolescentes
Quando voltava para casa
a mãe sempre perguntava do seu dia
e o menino pra fugir ganhava asas
o que a mãe queria ouvir, ele dizia:
_"Ah mãezinha, no colégio estou tão bem
Ganhei dez no mapa de geografia
Na prova de história, dez também"
E contente com a resposta, a mãe sorria
Mal sabia ela da humilhação
que o filho sofria todo dia
que ele tinha como amiga a solidão
cada hora da sua aula era agonia
Chegava na classe já aflito
Mal entrava, começavam a vaiar
diziam que ele era esquisito
que era estranho, não paravam de xingar
E o menino se sentia tão pequeno
e engolia a seco cada xingamento
Sua alma foi se enchendo de veneno
Até não aguentar mais o sofrimento
Subiu as escadas, foi pro último andar
Não suportou a dor da rejeição
Abriu a janela, se atirou no ar
com os olhos marejados de emoção
E vôou, tão sozinho quanto era
pela primeira vez soltou seu grito
se as pessoas machucavam como feras
quem era na verdade o esquisito?

16 comentários:

  1. É Carol,
    Fantástica sua maneira de narrar acontecimentos tão corriqueiros, presenciei muitas cenas como essa , não com um final assim mas com seqüelas,tão trágicas quanto, certeza.
    Todos nós temos um pouco de esquisitice,infelizmente os seres humanos não aprenderam a conviver com as diferenças que são tão importantes, já imaginou se todos fossemos iguais ? O quanto esquisito seria ? Esquisito e sem graça, né ???
    Se todas as pessoas gostassem da cor rosa, o que seria do amarelo ?
    Torço para que um dia isso mude e as pessoas aprendam a ser mais humanas e a conviver com as diferenças.
    Beijos mil
    Amo você..

    8 de janeiro de 2011 12:45

    ResponderExcluir
  2. Minha queridaaaaa!!! Que maestria em pintar com palavras cenas do cotidiano! Eu que lido com adolescentes sei exatamente do que você fala! Quantas dramas eu já escutei! Quantas vezes atuei para redirecionar caminhos! Eu trabalho com os dois extremos!É muito difícil lidar com a dor dos dois lados! O que humilha e o que é humilhado! Em muitos momentos descubro que os dois são vítimas! Embora um só ataque, entende? É tão sutil esse terreno! Mas já tive experiências maravilhosas nas duas situações! Resgates maravilhosos! Parabéns! Você me tocou profundamente! Mexeu com as emoções que lido no meu dia a dia profissional! Obrigada por essa bela leitura de uma realidade tão triste! Te amo, Anjo do cotidiano!

    ResponderExcluir
  3. Oi Fofa,
    Achei tão triste o final... achei que ia ser outro, pois o nerd de hj é o patrão de amanhã!
    Vc escreve muito bem e tem uma visão plena do cotidiano.
    Bjkas e um ótimo sábado para vc.

    http://gostodistonew.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  4. Ola Fofa!
    Esta manhã tive aqui comentando, mas não consegui publicar o comentário,são coisas da blogosfera.
    O Bulling, já no meu tempo isso acontecia, eu vivia no campo a cinco quilómetros da escola, e a minha mãe foi me levar no primeiro dia,e eu tinha sido educado,que nunca devia responder a agressões nem a provocações,logo no segundo dia começaram-me a malhar, no terceiro também, no quarto dia, já não fiquei parado dei porrada em três, e dois deles maiores do que eu, apanhei um pauzito que estava ali por perto, nunca mais ninguém me bateu, já com meu filho isso voltou a acontecer,e eu disso-lhe dá também. Ninguém deve ficar calado, e os pais às vezes são culpados dessas coisas, esse lema de dar a outra face, não resulta, comigo não resultou.
    Aqui já se têm suicidado crianças também.

    Um beijinho,
    José.

    ResponderExcluir
  5. Oiiê..
    Tudo tão lindo aqui ^^
    Xerinho grande.

    www.lojazart.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. Oi Carol...
    Outro tema polêmico e que infelizmente não é privilégio de poucos, pois o bullying acontece com mais frequência que imaginamos.Tenho uma filha especial e por algum tempo sofreu com isolamento social na escola, um tipo de bullying frequente que marca tanto quanto qualquer outro. Mas é como a Sonia disse, educação é uma questão de berço e não de escola.
    Beijos e bom final de semana chuvoso...

    ResponderExcluir
  7. Fofa, sua postagem é certa e tem muita emoção nela, mas sabe amiga eu sempre fui o gordinho, o quatro zóio, rolha de pôço, gordo baleia saco de areia, e nem por isso nunca deixei de ter grandes amigos na escola ou fóra dela... Sabe amiga eu acho que a sociedade está ficando chata demais...
    Acho que se tudo ficar na gozação e não partir para a agressão física, tudo se acerta e todos vivem felizes!
    Eu sempre fui zoado e sempre fui feliz com meus defeitos...

    ResponderExcluir
  8. Oi, Carolina! Você como sempre é muito fofa e escreve muito bem. Infelizmente, a falta de respeito para com o próximo ainda está muito presente nas pessoas. É preciso antes de tudo educar. E isso é tarefa da família e da escola. Pegando o gancho do André Mansim, eu sempre fui o cabeção, o quatro olhos, o de nome esquisito. Mas nunca me abalei com isso... hoje, sinto orgulho de ter sido o que fui.
    Um beijo grande e valeu pela visita ao Saiba História! :D

    ResponderExcluir
  9. Você é sensível e seu blog é lindo. Ame-se e muitos com certeza de amam e te amarão muito mais. Fé em DEUS E PÉ NA TÁBUA.

    ResponderExcluir
  10. Então Carol lá vou eu dar continuidade a um post que iniciei lá no meu...
    Santhiago sempre foi vitima, não sei se a palavra é Bullying ou preconceito, e já recebeu "apelidos" que ele na sua inocência nem sabe ainda o significado.
    Ele nunca foi uma criança certinha que tivesse o cabelo curtinho pra mostrar que é "homem" né? Desde pequeno teve cabelo comprido, primeiro pq eu e o Beto gostavámos, depois pq ele mesmo gostava, isso já me fez mudá-lo de escola, falar com diretores, enfim, qualquer coisa que acontecesse eu já percebia na hora pela fisionomia dele, sofremos muito com isso, mas Santhiago tem personalidade forte...
    Enfim, na última semana de aula do ano passado, eis que ele me surpreende com a idéia de furar a orelha, idéia amadurecida. Furamos em um sábado, na segunda lá pela volta das 10hs da manhã a Diretora me liga e diz q ele brigou com o amiguinho mas que estava tudo bem, que eu não me preocupasse...
    Quando ele chega da Escola, vejo meu filho todo arranhado com cortes grandes de unhas de crianças pelo pescoço e rosto, e na agenda a professora escreveu:
    SANTHIAGO HJ SE ENVOLVEU EM UMA BRIGA NO BANHEIRO COM TRÊS CRIANÇAS, ELE SENDO O MENOR LEVOU A PIOR.
    Eu pensei: Meu filho se envolver em briga? não é possível, ele não sabe nem revidar (Educamos assim e me arrependo por isso, meu filho não sabe revidar)
    Tirei fotos em todos os ângulos das escoriações, logo em seguida a Diretora chega aqui em casa, e eu lhe disse tudo o que estava engasgado(me arrependo, pq educaçao é berço não é escola).Fiz o exame de corpo de delito, e ele continuará lá mesmo, agora a Escola inteira sabendo que ninguém mais vai encostar um dedo no meu filho, ele apanhou de três crianças de 9 anos dentro de um banheiro na Escola por causa de um brinco, pq nesse País que vivemos masculinidade e caráter se mede pelo tamanho do cabelo, pelo furo na orelha etc.
    A Escola assinou um termo de responsabilidade sobre a preservação da integridade física do meu filho, e me pediu para não dar continuidade a aquela história. (por enquanto deixo assim), porque ele me pediu pra deixar assim, mesmo não sabendo o que eu pretendia fazer.
    Eu penso muito diferente da maioria, sou uma louca no mundo dos normais. Santhiago é filho de Sônia e de Beto (mesmo tendo só Sônia pra ser Sônia e Beto), e sendo filho desse casal, poderá se vestir e usar o cabelo da maneira que quiser, desde que não esteja ofendendo a moral e a integridade de ninguém.
    Eles que se adequem ao "diferente".

    Bullying, é uma mistura de (Pré)conceitos juntos e misturados, mas infelismente respeito se aprende em casa,e isso é privilégios pra poucos...

    LINDA CAROL!

    ResponderExcluir
  11. Oi fofa, prefiro acreditar no suportável, crio a minha filha com rigidez de que não vou viver pra sempre e ela vai ter que enfrentar seus medos, ela se fez tão forte que não liga quando a reprimem ou qualquer titulo que coloquem (e colocam) na escola, diz entre dentes: "pobrezinhos, eles não sabem o que fazem! E quem liga né mãe?"

    Tenho uma postagem que tem um video la, gostaria que visse, embora fuja do assunto, tenho certeza que vai gostar,
    http://produtinhosnocabelo.blogspot.com/2010/12/o-motivo-da-ausencia-e-saudade.html

    ResponderExcluir
  12. acho que todos nós passamos por momentos desses...
    achei o texto mto bom mas triste...
    lamento por vc e por todos nós, mas infelizmente faz parte da natureza humana a crueldade.
    Espero que um dia isso tenha fim.

    Vim lhe desejar bom findi
    Beijos na alma!


    "Renda-se, como eu me rendi. Mergulhe no que você não conhece como eu mergulhei. Não se preocupe em entender, viver ultrapassa qualquer entendimento."
    (Clarice Lispector)

    ResponderExcluir
  13. Oi linda Carol...Todos os dias, alunos no mundo todo sofrem com um tipo de violência que vem mascarada na forma de “brincadeira",mas que marca, machuca e faz vítimas com finais tristes como o de teu texto, e infelizmente muitos pais colocam a responsabilidade de educar somente para a escola,quando educação vem de casa, limites também...

    bjo no coração

    ResponderExcluir
  14. É triste, mas é a realidade de muitos. Quantos não se sentem assim, excluídos sem nenhum motivo justo? E quantos não são aqueles que escolhem pra si este fim? É como se a sociedade a cada dia estivesse menos humana...
    Bj!

    ResponderExcluir